Na Cabeceira: Sereia



Vanessa Sands, de 17 anos, tem medo de tudo – do escuro, de altura, do mar –, mas sua destemida irmã mais velha, Justine, está sempre por perto para guiá-la a cada desafio. Até que Justine vai mergulhar num precipício uma noite, perto da casa de veraneio da família em Winter Harbor, e seu corpo sem vida aparece na praia no dia seguinte. Os pais de Vanessa tentam superar a tragédia retornando à vida cotidiana em Boston, mas ela sente que a morte da irmã não foi acidental. Depois de descobrir que Justine estava escondendo diversos segredos, Vanessa volta para Winter Harbor, esperando que Caleb, o namorado de sua irmã, possa esclarecer algumas coisas, mas o garoto está desaparecido. Logo, não é apenas Vanessa que está com medo. Winter Harbor inteira fica em alvoroço quando outro corpo aparece na praia, e o pânico se instala à medida que a pequena cidade se torna palco de uma série de acidentes fatais relacionados com a água, em que as vítimas são encontradas sorrindo horrivelmente de orelha a orelha.
Vanessa e Simon, irmão mais velho de Caleb, unem forças para investigar os estranhos acontecimentos e, no caminho, a amizade de infância se transforma em algo mais. Conforme eles vão encontrando ligações entre a morte de Justine e a súbita erupção de afogamentos assustadores na cidade, Vanessa descobre um segredo que ameaça seu romance com Simon – e que vai mudar sua vida para sempre.
O título antecipa sobre o que haverá na história desse livro: sereias. Mas se até hoje o contato mais marcante que você teve com esse assunto tenha sido "A pequena sereia" e "Splash, uma sereia em minha vida", junte-se a mim!
O livro da Trycia Rayburn foi o meu primeiro contato com a mitologia das sereias dentro das páginas. Assim, mergulhei na leitura guiada por uma grande curiosidade. Foi preciso esperar passar pelas 100 primeiras páginas pra história transitar de pacífica à magnética. A partir de então, fui arrastada pra uma narrativa que flui sem muitos problemas. E consequentemente, me vi submersa em um campo de mistérios e suspense.

A atmosfera desse livro te envolve bastante e acho que isso ocorre pela descrição do clima - um tanto irregular - da cidade. Todo aquele céu nublado, chuvas, tempestades, vento e mar agitado conseguem te fixar na história. Enquanto eu lia à noite quase podia escutar o barulho das ondas agitadas batendo nas pedras. E isso contribui, claro, para o clima tenso que hora ou outra surgia, causando bons momentos de apreensão relacionados aos pesadelos de Vanessa, principalmente.

E por falar em protagonista...
A narrativa é em 1ª pessoa e acho tal escolha bem delicada porque às vezes uma história com visível potencial pode ser devastada se a protagonista se mostrar uma verdadeira chatinha. Porém, Vanessa foi uma boa surpresa! Não chega a ser uma Katniss Everdeen de Jogos Vorazes, mas passa longe de ser uma Bella Swan. Sempre acreditei que personagem bom é aquele que surpreende o leitor com as decisões e atitudes tomadas ao longo da história.

Achei a diagramação bem limpa, organizada e sem erros - Pra quem não sabe, diagramação é a arrumação gráfica dos elementos de qualquer material pra impressão, no caso. Ou seja, a página de um livro visualmente organizada e agradável é uma diagramação bem feita! . Infelizmente, já cheguei a abandonar livro que tinha uma diagramação tão mal feita que tornava a leitura impossível!

Fiquei muito contente por terem mantido a capa original porque ela traz um efeito lindo! A letra do título e dos olhos da sereia são em furta-cor e dependendo da posição em que você coloca o livro, as cores vão mudando. Há quem ache um pouco assustador também, principalmente quando o livro te encara com aqueles olhos no meio da noite. E tem tudo a ver com a história!

O livro não tem um final com todos os mistérios resolvidos porque conta com duas continuações: “Encanto”, já lançada por aqui e “Dark Water”, lançada esse ano lá fora. Eu recomento a leitura pelo que traz de diferente, pra sair um pouquinho do mundo dos vampiros, anjos, lobisomens e conhecer criaturas de outras profundezas! 

CONVERSATION

0 Comentários:

Postar um comentário

© Blog AGAP 2009 - 2016. Todos os direitos reservados.